Saramago



   
              Se os que  atacam Saramago, pretendem despertar olhares e sentimentos para que cresça o número de inimigos de Saramago, em mim despertaram algo diferente. Se eu já lia Saramago e gostava de o ler, porque a sua escrita me fazia pensar, mesmo que eu não concordasse em certos pontos de vista, passei a ler e a "investigar" mais sobre ele, não apenas como escritor, mas como pessoa.De salientar que esses pontos não eram em grande número.  Ouvi com muita atenção algumas entrevistas dele, inclusive  com o padre, Joaquim Carreira das Neves, biblista, professor de teologia da Universidade Católica. Joaquim Carreira, mostrou-se pouco convincente nos argumentos que apresentava, contrariando-se em alguns pontos. Ao contrário de Saramago, que como qualquer humano imperfeito admitiu o excesso que cometeu em uma ou duas expressões, mas nunca balançou no que acreditava. Afinal que crime cometeu Saramago? Mais uma vez eu pergunto. O de ter tido a coragem de pensar e mostrar publicamente o que achava de forças que manipulam o mundo e o fazem andar em sentido contrário aos interesses dos mais frágeis?  Se isso é um crime, o que faremos com todos os que foram cometidos ao longo de toda a História, muitas vezes  e muitas vezes justificadas pelo nome de Deus. E quanto à manipulação de sentimentos que muitas instituições exercem, sobre sentimentos e a vida das pessoas? Pessoas convertidas ao medo, transformadas ao que nunca seriam, se não crescessem com a falta de coragem de dizer não. Não questionar, dizer sempre Amém é e sempre foi a regra. Saramago, foi intitulado de desumano e convencido. Desumano? Existe maior desumanidade  do que agarrar em milhões, transformá-lo em armas e matar inocentes? A esses que matam ainda lhes é atribuído um título: heróis! Saramago acusado de convencido?  Quais são os convencidos que devemos temer? Eu pessoalmente temo aqueles, que enquanto durmo podem mudar o mundo como bem entendem, convencidos de um poder que lhes é dado pelas próprias massas humanas por eles sufocadas.
          Há uma história interessante sobre a a aceitação dele aqui em Edmonton, na comunidade portuguesa. Há uns anos atrás ele visitou esta cidade. Apesar de não ter sido convidado a conhecer o salão cultural português, ele fez-se convidado. Ficou desiludido, pois claro, eu quando visitei a comunidade pela primeira vez, também fiquei. Triste que a cultura portuguesa aqui se resuma a religião, jantares, algum folclore e pouco mais. Literatura, o que será isso? Livros? Não há tempo para ler. Tempo é dinheiro. E assim, pouco valor se vai dando à língua portuguesa.
              Há dois anos atrás veio aqui a cantora Ana Malhoa. Pessoalmente não tenho nada contra ela. Não sou sua fã mas também não me incomoda. O que me incomodou foi a festa que lhe fizeram aqui, enquanto que a foto do nosso Nobel de Literatura de 1998, foi excluída do salão cultural português de Edmonton. ´´ E esta, hein? ``. exclamaria o nosso famoso jornalista Fernando Pessa.


Texto escrito logo após a morte de Saramago

Fernanda R-Mesquita


Comentários